Iluminação x acessibilidade

Publicado em: 23.abril.2014

Por: Acessibilidade na Prática

Lendo o livro “Desenho Universal – Caminhos da Acessibilidade no Brasil”, mais precisamente no capítulo 4, achei o texto “A influência da iluminação nos ambientes acessíveis – identificando barreiras” muito interessante.

Será que já paramos para analisar a importância da iluminação na acessibilidade dos ambientes? Pensando nisso, vou compartilhar com vocês alguns pontos desse texto, os quais, inclusive, já mencionamos algumas vezes aqui no blog. 

Existem diferentes tipos de barreiras no nosso cotidiano que acabam interferindo negativamente na mobilidade das pessoas. As barreiras lumínicas também devem ser exploradas por afetarem diretamente ambientes acessíveis, e são causadas pelo excesso, falta ou defeito da iluminação dos espaços.


IMG

A foto acima demonstra que o excesso de iluminação natural do local ofusca a visão. Esse fator, juntamente com a sinalização inadequada da rampa e da escada, dificulta ainda mais a utilização dessas estruturas.

Conhecendo as barreiras lumínicas, torna-se mais fácil combatê-las. O texto mencionado anteriormente faz algumas recomendações para que um projeto de iluminação seja acessível:

Em ambientes com iluminação natural: É importante levar em conta o efeito que a luz natural pode ter nos espaços que recebem luz diretamente do exterior, evitando ofuscamentos visuais ou sombras no ambiente.

Em ambientes com iluminação artificial: 
Principalmente deve ser evitado o ofuscamento, que afeta qualquer pessoa. Cada ambiente possui sua particularidade, porém, mesmo com uma iluminação uniforme, alguns pontos devem ser analisados com bastante critério, tais como escadas, cartazes, números, rampas e outros. Esse cuidado é necessário para que tais elementos sejam identificados mais facilmente pelos usuários.


Referência: FRESTEIRO, H. R. A Influência da Iluminação nos Ambientes Acessíveis – Identificando Barreiras. In: PRADO, de A. R. A.; LOPES, E. M.; ORNSTEIN, W. S. (Orgs.). Desenho Universal: Caminhos da Acessibilidade no Brasil. São Paulo: Annablume Editora, 2010. p. 117- 127.


Maria Alice Furrer



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *