Entendendo as terminologias

Publicado em: 04.agosto.2011

Por: Acessibilidade na Prática

O Brasil é um país com uma população total de 190.755.799 habitantes,  segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) 2010, distribuídos por uma extensão territorial de 8.502.728,269 Km2.
 
O País caminha velozmente rumo a um perfil demográfico cada vez mais envelhecido, pois o índice de envelhecimento aponta para mudanças na estrutura etária da população brasileira. Em 2008, para cada grupo de 100 crianças de 0 a 14 anos, existiam 24,7 idosos de 65 anos ou mais. Em 2050, o quadro muda e para cada 100 crianças de 0 a 14 anos existirão 172,7 idosos.
 
Os resultados do Censo 2000 mostram que, aproximadamente, 24,6 milhões de pessoas, ou 14,5% da população total, apresentam algum tipo de deficiência. O IBGE levou em conta que deficientes são pessoas com ao menos alguma dificuldade de enxergar, ouvir, locomover-se ou alguma deficiência física ou mental.
 
É importante destacar que a proporção de deficientes aumenta com a idade, passando de 4,3% nas crianças até 14 anos para 54% do total das pessoas com idade superior a 65 anos. À medida que a estrutura da população está mais envelhecida, a proporção de pessoas com deficiência aumenta, surgindo um novo elenco de demandas para atender as necessidades específicas deste grupo. Abaixo, o gráfico ilustra os números referentes à distribuição por tipo de deficiência:
 
Fonte: IBGE
 

O Decreto nº 5.296 de 02/12/2004 regulamenta as Leis nº 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Entretanto, para que exista um efetivo cumprimento destas Leis e as pessoas corretas sejam beneficiadas, precisamos conhecer quem faz parte deste diverso grupo.
 
 
Tipos de deficiência
 
a) Deficientes físicos:  os que possuem alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos (braço, perna, mão, por exemplo) do corpo, acarretando o comprometimento da função física.
 
Apresentando-se sob a forma de: paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, ostomia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, nanismo, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções. Abaixo estão ilustrados alguns exemplos de deficiência física:
 
Paraplegia / Paresia: perda total ou parcial da função de pernas. 
 
 
Hemiplegia / Paresia: perda total ou parcial da função de um lado do corpo.
 
 
Tetraplegia/ paresia: perda total ou parcial da função dos quatro membros e tronco.
 
 
Amputados: retirada total ou parcial de um ou mais membros.
 
 
Nanismo: Em termos de adultos, considera-se anão o homem que mede menos de 1,45 m e, anã, a mulher com altura inferior a 1,40 m. (Informações: Wikipédia)
 
 
b) Deficientes auditivos: perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas freqüências de 500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz.
– Surdos sinalizados: Forma de comunicação – Libras, e podem ou não realizar leitura labial;
– Surdos oralizados: Falam oralmente (com ou sem sotaque característico de quem tem baixa audição ou inexistente), lêem os lábios e não costumam utilizar a língua de sinais;
– Surdos bilíngües: são similares aos surdos oralizados, com a diferença de possuírem fluência na língua de sinais. (Fonte: Blog "Desculpe, Não Ouvi")
 
Implante Coclear.
 
 
Surdos que utilizam Libras como forma de comunicação.
 
 
c) Deficiência visualcegueira, na qual a acuidade visual (uma característica do olho de reconhecer dois pontos muito próximos – Wikipédia) é igual ou menor que 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; a baixa visão, que significa acuidade visual entre 0,3 e 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; os casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos for igual ou menor que 60 graus; ou a ocorrência simultânea de quaisquer das condições anteriores.
 
Cegueira
 
 
Baixa visão
 
 
d) Deficiência mental: funcionamento intelectual significativamente inferior à média, com manifestação antes dos dezoito anos e limitações associadas a duas ou mais áreas de habilidades adaptativas, tais como: comunicação, cuidado pessoal, habilidades sociais, utilização dos recursos da comunidade, saúde e segurança, habilidades acadêmicas, lazer e trabalho.
 
Deficiente mental: baixo rendimento em alguma ou algumas situações citadas acima. Esta deficiência pode ou não estar associada à deficiência física.
 
 
e) Deficiência múltipla: Associação de duas ou mais deficiências.
 
 
 
Tipos de mobilidade reduzida
 
Indivíduos com mobilidade reduzida são aqueles que, não se enquadrando no conceito de deficiência, e tenha, por qualquer motivo, dificuldade de movimentar-se, permanente ou temporariamente, gerando redução efetiva da mobilidade, flexibilidade, coordenação motora e percepção.
 
Idoso: mobilidade reduzida
 
 
Gestante e uma mulher empurrando o carrinho de bebê, ambas com mobilidade reduzida.
 
 
Obeso: mobilidade reduzida
 
 
Indivíduo com perna engessada (fratura): mobilidade reduzida
 
 
Finalizando
 
Portanto, observamos a existência de diversos grupos, cada um com suas necessidades específicas. E para tornarmos qualquer local acessível, devemos considerar esta grande diversidade, projetando locais capazes de atender todas as pessoas, sem distinção.
 
 
Maria Alice Furrer e Frederico Rios
 
Fotos: Internet
 
Observação: Esta postagem teve como base o Decreto número 5.296/2004. As informações adicionais tiveram suas fontes devidamente citadas.
 

3 ideias sobre “Entendendo as terminologias

  1. Pingback: Acessibilidade no Plenário Edroim Reverdito (“Plenarinho”) | Acessibilidade na Prática

  2. Muito esclarecedor e útil para pessoas que não sabem ou às vezes (não querem saber) principalmente quando se trata de se promover acessibilidade….
     
     

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *