DISQUE DENÚNCIA 156

Quem sofre com a falta de acessibilidade certamente já teve vontade de “botar a boca no trombone” diante de certas situações: vaga reservada ocupada indevidamente, rebaixamento de guia quebrado ou a falta dele, estacionamento sobre a calçada, estabelecimento sem acesso adequado, calçada quebrada e por aí vai. No entanto, como nosso país é especialista em burocracia, nos sentimos desmotivados  a defender nossos direitos, pois nem sempre é fácil mobilizar órgãos como Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, Prefeitura Municipal e outros, apesar de alguns deles já contar inclusive com aplicativos de celular para isso.

 

 



O que pouca gente sabe é que, na maior parte das situações, é a Prefeitura quem tem meios de resolver esses problemas mais rapidamente, sejam questões estruturais ou infrações de trânsito. Na maioria das prefeituras brasileiras, especialmente nas capitais, as denúncias podem ser feitas pelo telefone 156.

Em Campo Grande mesmo, o 156 está apto a receber qualquer denúncia de falta ou desrespeito à acessibilidade, seja identificando-se ou anonimamente. Mesmo quando anônima, a denúncia recebe um número de protocolo, que pode ser consultado a qualquer momento para verificar o andamento da denúncia.

Não permita que seu direito à acessibilidade continue sendo desrespeitado. Denuncie!

Leia também:
Ambulift: uma luta para conseguir e uma briga para utilizar!
Pessoas com deficiência e os exames médicos do Detran


Frederico Rios



Pessoas com deficiência e os exames médicos do Detran

Depois do acidente que me deixou tetraplégico, em 2008, uma das minhas grandes tristezas foi a impossibilidade de dirigir. Ainda pequeno, “dirigia” as tampas de panela da minha mãe pela casa, com direito a roncos de motor e cantadas de pneu feitos com a boca, já me imaginando ao volante de um carro. Quando perdi boa parte dos movimentos do corpo, aquele meu sonho de criança (e de grande parte dos brasileiros, especialmente dos homens) tornou-se dolorosamente improvável de acontecer, apesar de já tê-lo realizado em 1999.

 

 



Em 2012, quando iniciei meu tratamento no Acreditando, dirigir voltou a ser algo possível para mim. Lá, conheci o Pacheco e o Chico, dois “tetras” que dirigiam (legalmente!) seus próprios carros adaptados, algo inimaginável por mim até então. Esses caras me inspiraram a lutar por isso, e até hoje me inspiram a continuar tentando fazer o que eu não consigo 😀 .

Continue lendo

Pescaria “adaptada” no Pantanal

Por morar minha vida inteira no Mato Grosso do Sul, vez ou outra eu programava uma pescaria com amigos ou familiares num dos diversos rios do nosso estado, mas confesso que pescar nunca esteve entre minhas melhores habilidades antes de me tornar tetraplégico. Tenho amigos muito mais “tarados” por pescaria do que eu, alguns até cadeirantes, que sempre dão um jeitinho de passar horas ou até dias no mato pescando.

 

pescaria_no_pantanal

Foto: 7 Dias à Toa



Nos últimos anos, o “turismo acessível” ou “adaptado” vem ganhando cada vez mais adeptos no Brasil, especialmente o Ecoturismo e o Turismo de Aventura. Algumas cidades como Socorro (SP) e Bonito (MS) já possuem certa estrutura para receber pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, mas devemos reconhecer que é muito difícil proporcionar total autonomia em passeios onde há matas, rios, tirolesas, bote inflável e escaladas. Nesses casos, o atendimento e o monitoramento por pessoas treinadas é imprescindível.

Continue lendo

Casa Cor MS 2016

Mato Grosso do Sul recebeu sua 4ª edição da Casa Cor entre os dias 26 de agosto e 12 de outubro de 2016. A mostra foi realizada na Mansão dos Dibo, localizada na Avenida Afonso Pena nº 4025, em Campo Grande. A casa, construída da década de 1980 e projetada pelo Arquiteto Rubens Gil de Camillo, manteve o brutalismo do projeto original mesmo com a repaginada da mostra, onde os Arquitetos e Designers se apropriaram de elementos como vigas aparentes, efeito ripado no teto, claraboias e pisos de madeira. (Informações: casacorms.com.br e campograndenews.com.br)

Pela terceira vez consecutiva, nós do blog visitamos a Casa Cor MS para analisar as condições de acesso oferecidas aos visitantes e, quem sabe, encontrar algum ambiente projetado para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Confira!

 

Chegando à mostra


O evento não contava com estacionamento, por isso tivemos que estacionar na rua. Como se trata de uma região movimentada da cidade, conseguimos uma vaga apenas em uma das ruas transversais à Avenida Afonso Pena.

Para chegar à mostra, foi necessário passar por calçadas com pisos razoavelmente acessíveis, porém com vários obstáculos:

 

01

Calçada que ligava o evento à Rua Espírito Santo. O revestimento é regular, firme e estável (blocos de concreto), contendo também piso tátil direcional, entretanto a calçada dá num tapume de uma obra ao lado da Casa Cor, dificultando a passagem.

Continue lendo

Flutuação adaptada no Aquário Natural de Bonito

O município de Bonito, no Mato Grosso do Sul, é um importante pólo do ecoturismo, conhecido mundialmente por suas paisagens naturais, mergulhos em rios de águas transparentes, cachoeiras, grutas, cavernas e dolinas.

Nossa amiga Bianca, tetraplégica desde 2012 devido a um acidente de carro, resolveu encarar a flutuação no Aquário Natural de Bonito para saber como seria a sensação de entrar num rio após sua lesão. A flutuação é um passeio mais contemplativo do que de aventura, mas é um belo desafio para alguém que sofreu uma lesão medular cervical e está tentando voltar a realizar atividades que fazia antes.

Bianca estava acompanhada de quatro familiares. O passeio teve duração de aproximadamente duas horas e meia, contado com a troca de roupa, treinamento e descida do rio.


image[3]Todo turista que deseja fazer a flutuação tem de passar por um pequeno treinamento, realizado numa piscina. O treinamento é ministrado por instrutores experientes que trabalham no local. No caso da Bianca, ela contou com um instrutor exclusivo para realizar a flutuação.


Continue lendo

Cartão de estacionamento – Paranaíba (MS)

Em Paranaíba (MS), o cartão de estacionamento deve ser solicitado no Departamento Municipal de trânsito (DEMUTRAN).

Endereço:

  • Avenida Major Francisco Dias, Centro de Eventos do Carnaíba.

Telefones: 

  • (67) 3669-0097 e 9993-1973.

Documentos necessários:

  • Pessoas com deficiência: cópias do RG, comprovante de residência e laudo médico.

  • Idosos: apenas cópia do RG.


Informações fornecidas por telefone pelo Sr. Vagner Rodrigues da Silva no dia 10/12/2014.