DISQUE DENÚNCIA 156

Quem sofre com a falta de acessibilidade certamente já teve vontade de “botar a boca no trombone” diante de certas situações: vaga reservada ocupada indevidamente, rebaixamento de guia quebrado ou a falta dele, estacionamento sobre a calçada, estabelecimento sem acesso adequado, calçada quebrada e por aí vai. No entanto, como nosso país é especialista em burocracia, nos sentimos desmotivados  a defender nossos direitos, pois nem sempre é fácil mobilizar órgãos como Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, Prefeitura Municipal e outros, apesar de alguns deles já contar inclusive com aplicativos de celular para isso.

 

 



O que pouca gente sabe é que, na maior parte das situações, é a Prefeitura quem tem meios de resolver esses problemas mais rapidamente, sejam questões estruturais ou infrações de trânsito. Na maioria das prefeituras brasileiras, especialmente nas capitais, as denúncias podem ser feitas pelo telefone 156.

Em Campo Grande mesmo, o 156 está apto a receber qualquer denúncia de falta ou desrespeito à acessibilidade, seja identificando-se ou anonimamente. Mesmo quando anônima, a denúncia recebe um número de protocolo, que pode ser consultado a qualquer momento para verificar o andamento da denúncia.

Não permita que seu direito à acessibilidade continue sendo desrespeitado. Denuncie!

Leia também:
Ambulift: uma luta para conseguir e uma briga para utilizar!
Pessoas com deficiência e os exames médicos do Detran


Frederico Rios



Casa Cor MS 2016

Mato Grosso do Sul recebeu sua 4ª edição da Casa Cor entre os dias 26 de agosto e 12 de outubro de 2016. A mostra foi realizada na Mansão dos Dibo, localizada na Avenida Afonso Pena nº 4025, em Campo Grande. A casa, construída da década de 1980 e projetada pelo Arquiteto Rubens Gil de Camillo, manteve o brutalismo do projeto original mesmo com a repaginada da mostra, onde os Arquitetos e Designers se apropriaram de elementos como vigas aparentes, efeito ripado no teto, claraboias e pisos de madeira. (Informações: casacorms.com.br e campograndenews.com.br)

Pela terceira vez consecutiva, nós do blog visitamos a Casa Cor MS para analisar as condições de acesso oferecidas aos visitantes e, quem sabe, encontrar algum ambiente projetado para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Confira!

 

Chegando à mostra


O evento não contava com estacionamento, por isso tivemos que estacionar na rua. Como se trata de uma região movimentada da cidade, conseguimos uma vaga apenas em uma das ruas transversais à Avenida Afonso Pena.

Para chegar à mostra, foi necessário passar por calçadas com pisos razoavelmente acessíveis, porém com vários obstáculos:

 

01

Calçada que ligava o evento à Rua Espírito Santo. O revestimento é regular, firme e estável (blocos de concreto), contendo também piso tátil direcional, entretanto a calçada dá num tapume de uma obra ao lado da Casa Cor, dificultando a passagem.

Continue lendo

Embarques e desembarques do Brasil aos Estados Unidos

Em maio de 2014, tive a felicidade de conhecer a terra do “Tio Sam”, juntamente com meus pais e a Maria Alice.

Durante a viagem, que começou em Campo Grande (MS) e terminou em Nova Iorque, resolvemos registrar nossos embarques e desembarques nos aeroportos e dividirmos essa experiência com vocês, mostrando um pouco da minha realidade como cadeirante.

Antes das fotos, vamos à norma técnica que trata sobre a acessibilidade da pessoa com deficiência no transporte aéreo comercial, a NBR 14273/1999. Essa norma tem como objetivo estabelecer os padrões e critérios que visam proporcionar às pessoas com deficiência condições adequadas e seguras de acessibilidade autônoma ao aeroporto e às aeronaves das empresas de transporte aéreo público regular, regional e suplementar.

Essa norma técnica trata de várias especificações, mas neste post vamos nos atentar apenas aos embarques e desembarques.

É válido lembrar que em 2013 a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) publicou as novas regras sobre o acesso ao transporte aéreo de Passageiros com Necessidade de Assistência Especial (PNAE). O novo regulamento (Resolução nº. 280/2013) sobre os procedimentos relativos à acessibilidade foi submetido ao processo de audiência pública em 2012, com sessões presenciais em setembro, em Brasília, e em outubro, em São Paulo (Portal ANAC).


A ida…

Aeroporto Internacional de Campo Grande – embarque


fotoApós os trâmites para acessarmos a sala de embarque, nos apresentamos no portão indicado. Em seguida, ao iniciar o embarque, um funcionário da companhia me conduziu até a aeronave.

Geralmente o embarque das prioridades (pessoas com deficiência, gestantes, idosos, crianças desacompanhadas e outros) é realizado antes dos demais passageiros. Já no desembarque o procedimento é o inverso, ou seja, as prioridades desembarcam por último.


fotoNo Aeroporto Internacional de Campo Grande não há ambulift ou passarela telescópica (finger), os quais servem para conduzir os passageiros até o avião sem precisar subir ou descer escadas.

A NBR 14273/1999 afirma que, em caso de problema no funcionamento ou inexistência do sistema de elevação, a pessoa com deficiência deve ser transportada até a porta da aeronave por intermédio de funcionários treinados para esta atividade, de modo confortável e seguro. No caso desse aeroporto, notamos que não houve um treinamento específico para que os funcionários embarquem ou desembarquem os passageiros com conforto e segurança.


Continue lendo

Acessibilidade na Cidade do Natal – 2012

Os eventos natalinos de Campo Grande (MS) iniciaram-se com a chegada do Papai Noel, que veio de helicóptero à Praça do Rádio Clube. E no dia 12 de dezembro, foi aberta a Cidade do Natal, com várias atrações para o público. (Fonte: G1)

Nos dois últimos anos (2010 e 2011), visitamos a Cidade do Natal para verificar as condições de acessibilidade do local. Em 2012 não poderia ser diferente, até por ser uma atração bastante aguardada por turistas e pela população campo-grandense.

Para evitarmos ser repetitivos, vamos conferir apenas as modificações em relação aos anos anteriores. Confiram!


Os lavatórios ainda não são ideais, mas estão mais adequados se comparados aos dos outros anos.

Esses lavatórios são comuns a todas as cabines químicas (masculinas, femininas e acessíveis).

Há água no piso ao redor dos lavatórios, tornando-o escorregadio, podendo ocasionar incidentes.

Não há nenhum item para higienizar as mãos (como sabonete, por exemplo), e isso também ocorreu na edição anterior.

Mais detalhes dos lavatórios na próxima imagem.
 
 
Continue lendo

Curso de Grafia Braille em Campo Grande – “Semeando Leitores e Escritores Competentes” (1ª edição)

Público: Professores de escolas particulares, das redes Municipais e Estadual de Ensino; estudantes de cursos de licenciatura; psicólogos, fonoaudiólogos, pedagogos, psicopedagogos e outros profissionais ligados à educação; familiares de pessoas com deficiência visual e demais interessados sobre o tema da inclusão. 

Ementa: O Curso apresenta um tema de grande importância no cenário da inclusão escolar da pessoa com deficiência visual, iniciando com a descrição do contexto histórico do sistema Braille, através da forma como evoluiu no Brasil e no mundo desde sua criação, as adaptações curriculares e as técnicas utilizadas para o ensino deste sistema, que envolvem a estimulação sensorial, alfabetização tátil e reabilitação. Ainda apresenta a dinâmica deste Sistema e recursos tradicionais e de alta tecnologia que auxiliam na produção de materiais em Braille, como uso de reglete, punção e máquina de datilografia. Identifica formas pelas quais ocorrem a transcrição de tinta para Braille ou vice-versa e adaptação de aulas, conteúdos e espaços. Também contempla dinâmicas que mostram formas de relacionar-se com a pessoa com deficiência visual e dicas de orientação/mobilidade. Demonstra como o recurso da audiodescrição, recente no cenário nacional, poderá contribuir para a prática docente. Tem como objetivo capacitar educadores do ensino regular ou do atendimento educacional especializado a atuar na formação e inclusão escolar de pessoas com Deficiência Visual por meio do método Braille e das ferramentas e técnicas que dão suporte a utilização deste sistema.

Carga Horária Total: 60 horas/aula, incluindo aulas presenciais e acompanhamento de atividades à distância. 

Número de Vagas: 30 

Período do Curso: de 05 a 09 de novembro de 2012. (Por motivos de força maior, esta data foi adiada, mas o curso não foi cancelado. Qualquer dúvida, entre em contato com os organizadores do evento) 

Horários: de segunda-feira a sexta-feira, das 18:00H às 22:00H. Constituido de 5 encontros presenciais  

Para certificação: Frequência mínima de 80%

Período de inscrição: de 01 de setembro a 31 de outubro/2012. Vagas limitadas até atingir limite máximo de 30 cursistas.

Informações na Escola IDEAL: Rua Cancão, nº 53, Recanto dos Pássaros, Campo Grande – MS. Telefone (67) 3363-3295 ou pelo e-mail [email protected]

Programa:
1. Breve histórico do Sistema Braille;
2. Instrumentos utilizados para a escrita: Reglete, punção e máquina de datilografia Braille;
3. O Alfabraille: Construindo e utilizando o alfabraille com estratégias lúdicas e associativas;
4. O Sistema Braille: Alfabeto Maiúsculo e minúsculo, letras acentuadas e pontuação;
5. Transcrição (do sistema comum para o Braille e vice-versa): Palavras, frases e pequenos textos; parágrafo e centralização de títulos; leitura de textos e poesias; 
6. Simbologia matemática: Numerais indo-arábicos, romanos e ordinais; representação das operações fundamentais; representação de datas, telefone e Braille aplicado à informática;
7. Dicas de relacionamento com pessoas com deficiência visual:  Dinâmica de orientação e mobilidade;
8. Audiodescrição: apresentação do recurso de AD; demonstração de filmes audiodescritos: introdução à elaboração de roteiro escrito para audiodescrição.

Metodologia do Curso: aulas teóricas e práticas; acompanhamento à distância de atividades propostas. Uso de material impresso, vídeos, materiais pedagógicos adaptados. 

Valor: Este curso possui um investimento total de R$ 400,00. Este valor poderá ser parcelado, sendo metade no ato da matrícula e a segunda no início do curso. 

No ato da matrícula o inscrito receberá uma camiseta estampada com o alfabeto Braille. 

Materiais inclusos com a matrícula: Apostila impressa em tinta, contendo explanação teórica sobre alfabetização em Braille; apostila em Braille; reglete, punção e 20 folhas gramatura 120G; placa de E.V.A. 3 mm, 2 mm e cola quente para construção do alfabraille; bloco de anotações e caneta e sorteio de brindes em todas as aulas presenciais.  

Professora autora e ministrante da Disciplina: Luciane Maria Molina Barbosa 

Breve Currículo: Luciane é pessoa com deficiência visual e  tem 29 anos, residente em Guaratinguetá – SP. Pedagoga com especialização em Atendimento Educacional Especializado (UNESP/UFC/SECADI), e  cerca de 65 cursos de aperfeiçoamento em temas que envolvem a deficiência visual. Atuou na educação especial de alunos com deficiência visual no município de Lorena de 2002 a 2009. Foi integrante da Equipe do Centro Interdisciplinar de Assistência Educacional (CIAE), da Secretaria Municipal de Educação de Lorena desde 2009 até abril deste ano. É coordenadora do Projeto VIDA – Vivenciando a Inclusão, Diversidade em Ação, com trabalhos voltados para o acompanhamento do AEE, nas salas de recursos multifuncionais de Lorena. Também é autora e  professora de cursos de capacitação para professores nas modalidades presencial ou EaD  em Grafia Braille, informática e audiodescrição. Já formou mais de 1100 profissionais. Autora do projeto BrailluMais (multiplicando Ações Inclusivas) lançado na X e XI Reatech, com jogos pedagógicos e brinquedos adaptados. Palestrante e autora de vários artigos publicados em diferentes mídias educacionais. Trabalhos apresentados em congressos de formação de professores e publicados em livros. Vencedora do IV Prêmio Sentidos/2011 com ações realizadas na área da inclusão da pessoa com deficiência. Mantém o blog: www.braillu.com. Colunista do blog www.guiainclusivo.com.br. É uma das autoras, roteirista e revisora de conteúdo do blog www.videoaudiodescrito.com.   

Atenção: Curso devidamente registrado com direito de propriedade intelectual. Proibida reprodução total ou parcial do conteúdo sem citar fonte.

Realização:




 

Flagrante – Paulo Marcio (II)

Seguidor: Paulo Marcio Machado Metello
Cidade: Campo Grande – MS
Data das fotos: 01/03/2012 às 15:00h.
Local: SESAU – Secretaria Municipal de Saúde Pública de Campo Grande (estacionamento), entrada pela Rua Rio Grande do Sul.

Descrição:

Foto 1 – vaga reservada para pessoas com deficiência:

A vaga se transformou em "tereródromo" (lugar para tomar tereré e conversar fiado). Esperei que todos saíssem do local para evitar constrangimento às pessoas, mas o local fica lotado em certas ocasiões. Se alguém precisasse utilizar a vaga, teria que chamar pelo menos dois homens fortes para deslocar o pesado banco com pés de ferro colocado no centro da vaga.

Há somente uma vaga reservada no imenso estacionamento, o qual sempre está lotado de carros. O Símbolo Internacional de Acesso está invertido e pintado na cor amarela.
 

Foto 2 – rampa de acesso:

Há uma rampa lateral à vaga reservada. Entretanto, além de receber respingos de um aparelho de ar-condicionado, a rampa é muito inclinada e com egressão inicial acentuada, dificultando o acesso com autonomia.
 
A SESAU é um local de referência para a saúde pública em Campo Grande, atendendo o público em geral, inclusive pessoas com deficiência. As atribuições da SESAU são amplas e específicas, inclusive na fiscalização em vigilância sanitária em todos os estabelecimentos da cidade. Portanto, este estabelecimento deveria ser o primeiro a dar o melhor exemplo e cumprir a norma técnica de acessibilidade.