Uma rampa pela metade!

Publicado em: 19.fevereiro.2014

Por: Acessibilidade na Prática

Acreditem se quiser: uma rampa pela metade! Isso mesmo: metade rampa, metade escada!

No dia 29/01/2014, fui a um culto ecumênico da turma de formandos de uma amiga, que aconteceu na Igreja Nossa Senhora do Líbano, em Belo Horizonte (Rua Pouso Alegre 659, Bairro Floresta). Como de praxe, antes de ir, pesquisei no Google Street View para ter noção da acessibilidade do lugar (às vezes funciona). Como podem ver pela foto do Google (printscreen), que é de 2011, existe uma rampa “meio suspeita”, pois, ao seu término, aparece uma continuação em escada antes de chegar na porta da igreja. Pensei: “não é possível, deve existir uma entrada lateral, sei lá!”. Mas isso serviu para eu descartar a cadeira motorizada e ir na manual, para o caso de eu ter que terminar de subir a rampa carregado (isso facilita).

BO IGREJA FLORESTA - FOTO GOOGLE 2011

Imagem: Google Street View (2011)


Chegando lá, essa “navalhada arquitetônica” se confirmou! De fato era uma rampa que acabava no meio do caminho, me obrigando a ser carregado sobre um lance de escada ao final. Tudo bem que era um lance menor de escada, mas extremamente desnecessário, uma vez que bastaria completarem aquela rampa para viabilizar o acesso. Mesmo fora dos padrões de acessibilidade, já “quebraria um galho”.

RAMPA-MAL-FEITA-COM-LEGENDA-29-01-2014


RAMPA-MAL-FEITA-03-29-01-2014

RAMPA-MAL-FEITA-02-29-01-2014

FINAL-DA-RAMPA-MAL-FEITA-29-01-2014


Para completar, após entrar na Igreja, o cerimonial contratado também não considerou a possibilidade de um cadeirante ir àquele culto. Havia um corredor central (com tapete) e dois laterais. Nos laterais não passava “meia cadeira”. Se eu entrasse pelo central, teria que me posicionar na frente de todos os bancos ou arredar algum do local reservado aos pais. Para evitar maiores constrangimentos, em caráter excepcional, resolvi ficar lá atrás mesmo. Fiz questão de tirar uma foto para registrar minha vista.


VISTA-CADEIRANTE-02
Não tive oportunidade de verificar se havia outro acesso pelos fundos, mas acho pouco provável que houvesse. Inclusive o cerimonial apenas se desculpou, classicamente, sem maiores explicações.

Embora a igreja não oferecesse o acesso adequado, acredito que a eventual presença de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida deveria ter sido prevista pelos organizadores do evento, a fim de melhor acomodá-las no interior da igreja e minimizar as falhas estruturais do prédio.


Relato e imagens: Thiago Helton

Twitter: @thiagohelton



Uma ideia sobre “Uma rampa pela metade!

  1. Dois comentários:
    1- Cristo não recebia os doentes, fracos e oprimidos?
    2- A Rampa do Palácio do Planalto também “é pela metade” e não aessível pois não há cadeirante na Lista do Janot.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *