Moto adaptada

Publicado em: 25.fevereiro.2013

Por: Acessibilidade na Prática

Um dos desejos de boa parte dos cadeirantes é poder pilotar – ou voltar a pilotar – uma motocicleta. Eu, por exemplo, morro de saudade de dar umas 'aceleradas', mesmo tendo me tornado tetraplégico justamente em cima de uma moto.

Não existem no Brasil modelos adaptados pelas próprias montadoras, e isso talvez não seja mesmo viável se considerarmos a diversidade de necessidades do público com deficiência ou mobilidade reduzida, o que geraria uma variedade muito grande de modelos para serem fabricados em série. Entretanto, há muito tempo já podemos ver pelas ruas alguns tipos de adaptações "artesanais" em motocicletas, geralmente as transformando em triciclos, podendo perfeitamente circular de forma legal e segura após homologação pelo órgão de trânsito competente.

Tramita em caráter conclusivo, na Câmara dos Deputados, a regulamentação do uso de triciclos e quadriciclos especiais. Dentre outros pontos, o projeto de lei estabelece que "os departamentos estaduais de trânsito (Detran) deverão oferecer aulas práticas de direção para formação desses condutores", o que hoje existe apenas em alguns estados brasileiros.


Há alguns dias, quando treinava na clínica onde faço minha reabilitação, conheci a moto adaptada do Nivaldo. Ele é comerciante em São Paulo e tornou-se paraplégico após levar um tiro durante um assalto. Conheçam a motoca dele no vídeo abaixo:

 


 


A adaptação da moto do Nivaldo trata-se do Sun Trike, um triciclo adaptado à scooter Burgman, da Suzuki. Eu já tinha visto um modelo de adaptação semelhante na internet, porém feito com uma Honda Lead, outra scooter.

Para quem quiser conhecer e se informar melhor sobre o assunto, há no Youtube vários vídeos com diferentes adaptações em motocicletas.

Se eu tivesse os movimentos das mãos preservados, com certeza já estaria montado numa dessas!

Abraços!


Frederico Rios
 


5 ideias sobre “Moto adaptada

  1. Eu adquiri em 2012 uma quadriciclo Shineray 150 automática, consigo "pilotar" mas somente off road, este modelo não é permitido transitar nas ruas ou estradas asfaltadas, não pode nem  emplacar. Não aconselharia pessoa com deficiência pilotar moto na cidade, principalmente em Campo Grande; um amigo dirigia um triciclo, sofreu um grave acidente que o deixou em coma durante vários dias, sua deficiência se agravou e agora nem sai de casa.

  2. Pingback: A história da “Biga” | Acessibilidade na Prática

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *