Bicicleta adaptada

Publicado em: 26.janeiro.2012

Por: Acessibilidade na Prática

A bicicleta é uma ótima diversão para as crianças, além de trazer benefícios à saúde.

Sou Fisioterapeuta e atendo um menino de 4 anos, com diagnóstico de Paralisia Cerebral. Esta criança tem comprometimento motor nas duas pernas e no braço direito. Em dezembro de 2011 ele pediu uma bicicleta, e a mãe dele e eu começamos a procurar bicicletas adaptadas ou quem as fazia.

No caso dele, a bicicleta tem de ser adaptada porque, com o comprometimento motor que ele tem, o equilíbrio e a força das pernas não são íntegros.

 
Quando encontramos um local para fazer as adaptações, este foi o modelo de bicicleta indicado. Uma das vantagens deste modelo é a posição do banco, mais baixo em relação ao guidão. Isso dá uma sensação maior de segurança para a criança.

Claro, devem existir outras marcas que atendam as necessidades de outras crianças, mas neste caso a escolhida foi esta.

Uma desvantagem deste modelo é o guidão, que é anteriorizado e deixa a criança com o corpo muito para frente, com uma postura inadequada.
 
Abaixo vamos conferir algumas adaptações feitas nesta bicicleta para proporcionar maior segurança, conforto e autonomia.

 
Este é o mesmo modelo da bicicleta ilustrada anteriormente, porém já com as adaptações necessárias. O guidão foi trocado por outro modelo, não tão anteriorizado como o original, permitindo que a criança tenha uma postura de tronco mais adequada.

Este guidão permite ajustes tanto para frente quanto para trás. Nós o ajustamos nesta posição para deixar o tronco da criança mais simétrico.

As rodinhas traseiras são do modelo original, proporcionando estabilidade ao pedalar.
 
 
Como o garoto não possui muita coordenação e força, seus pés escapam do pedal. Por isso, os dois pedais receberam suportes, onde os pés ficam fixos de forma confortável para não escapar, facilitando a pedalada.
 

O banco foi trocado, já que o original era muito pequeno e não oferecia a estabilidade necessária. O banco escolhido foi um modelo para adultos, com uma área maior, estabilizando o quadril e diminuíndo o risco da criança escorregar para frente.

Este banco permite ajuste de altura.

 
Ao redor do banco foi instalado um apoio, para evitar que a criança sinta-se insegura ou até mesmo caia da bicicleta.

Esta adaptação assemelha-se a uma cadeira com encosto baixo. O acabamento do apoio é todo emborrachado, ou seja, é antiderrapante e confortável.

 
Com estas adaptações ele consegue pedalar muito bem, além de não ter medo de cair. Para pedalar, colocamos órteses articuladas para posicionar melhor os pés e os tornozelos. Porém, no dia desta foto, ele estava com o pé machucado, por isso aparece apenas de tênis.

Claro que, para cada caso, as modificações na bicicleta serão diferentes. Este foi apenas um exemplo que quis compartilhar com vocês.

Pesquisamos muito para descobrir um local onde faz este tipo de adaptação, pois é muito difícil encontrar profissionais que façam este trabalho corretamente. A loja é a Gilmar Bicicletas, telefone (67) 3324-8300, e fica em Campo Grande (MS). Quem conhecer outra empresa ou profissional que faça este trabalho, fique à vontade para compartilhar nos comentários!

Até a próxima!


Maria Alice Furrer – Fisioterapeuta

 

20 ideias sobre “Bicicleta adaptada

  1. Adorei ess post! Cada dia aprendo mais coisa e sempre me surpreendo. Essa bike ficou legal demais!!! Já sou fã do Mateus e da Maria Alice pelo carinho e dedicação que desenvolve o seu trabalho. Esses dois,  já não são paciente e fisio e sim AMIGOS!!!!

  2. Parabéns pela excelente idéia. Pode ter certeza que outros pais que possuem crianças com o mesmo,ou outro problema que limitam a pedalada,copiarão sua idéia.

  3. Ideia fantástica, porém, todos nós sabemos que a competência das adaptações de modo a promover mobilidade e independência ao indivídio com limitações, deve ser de fato desempenhada pelo Terapeuta Ocupacional. 
     

    • Olá Rodrigo,

      Bom, em relação ao desempenho de funções, o Fisioterapeuta no exercício da Especialidade Profissional Fisioterapia Neurofuncional, dentre outras funções, pode: Planejar e executar estratégias de adequações para uma melhor acessibilidade a ambientes públicos e privados, como também planejar adequações em ambiente domiciliar, escolar, laboral e de lazer.

      Além de prescrever e confeccionar, órteses, próteses, mecanismos auxiliares de locomoção. Planejar e aplicar estratégias de tecnologia assistiva para otimizar, adaptar ou manter atividades funcionais com vistas à maior autonomia e independência funcional de seu cliente/paciente/usuário.

      A bicicleta foi adaptada de acordo com as especificações e objetivos, que eu como fisioterapeuta, estabeleci. A marca da bicicleta, realmente foi indicada pelo local, porém não vejo problemas.

      Quanto ao serviço de troca de peças para a adaptação da bicicleta, este sim foi feito pelo local. Ressalto que seguindo minhas prescrições. Isto não invade nenhum campo profissional. Assim como o serviço de tapeçaria e marcenaria, por exemplo, os quais nós tanto precisamos.

      Reconheço todo o trabalho da Terapia Ocupacional, tanto que eu trabalho em conjunto com vários  destes profissionais, os quais aumentam muito minha bagagem!

      E na verdade, acredito no trabalho multidisciplinar, este sim promove  resultados benéficos ao paciente!

       

      Obrigada pela colaboração!

       

      • Olha………..
        Pelo visto não se pode contar com todas as pontas para a realização de um trabalho multidisciplinar, com muito mais resultados positivos. Infelizmente.
        Este trabalho está de PARABÉNS!!! Sem mais!

  4. Me senti voltando à infância vendo este post! Sensacional! Eu antigamente (década de 60) conseguia andar de bicicleta com rodinhas, eu tinha uma técnica para pedalar empurrando a perna direita com mão e segurando o guidão no centro e tinha alguns pontos no percurso da calçada que eu empurrava no muro ou portões, sempre no mesmo lugar. Minha bicicleta era modelo "Berlineta", então eu cresci e pedi ao meu pai uma modelo "Tigrão", mas não consegui controlar porque era maior e caí na primeira tentativa, ela ficou para o meu irmão e eu nunca mais andei de bicicleta. A berlineta tinha um problema no encaixe da rodinha que tinha somente um parafuso e de vez em quando soltava ou ficava torta; esta bike moderna seria ideal porque a fixação da rodinha é firme. Muito legal! parabéns Maria Alice pela pesquisa…

  5. Olá, equipe do site Acessibilidade na Prática. Ficamos muito felizes em saber que nosso trabalho está contribuindo um pouco na felicidades das crianças. Contem conosco sempre que precisarem, estamos prontos a ajudá-los de coração. Sucesso ao site! Boas pedaladas!

  6. Pingback: Desmistificando alguns pensamentos sobre a Paralisia Cerebral | Acessibilidade na Prática

  7. Adorei a bicicleta adaptada,pois, tendo o mesmo problema nas pernas, só consegui andar de bicicleta comum com rodinhas e depois, a rodinha não agüentava mais meu peso e eu não conseguia me equilibrar na bicicleta comum sem este artifício, de modo que só andei de bicicleta até uns 13 anos e não consegui largar da rodinha.

  8. Achei muito interessante a matéria, hoje estou vivenciando esta necessidade para minha filha que tem paralisia cerebral e tem cinco anos de idade. Infelizmente não consegui profissionais que possam fazer a adptação de uma bicicleta para ela. Ela tinha um velotrol e adorava passear nele, claro que com meu auxílio. O grande problema na adaptação que ela precisa é o banco da bicicleta que teria que ser trocado por uma cadeirinha ou algo parecido que lhe desse mais apoio… Bom, vou continuar pesquisando e tentando resolver essa questão o máis breve possível. Um grande abraço, parabéns pelo site
     

  9. Boa tarde gostaria de está fazendo a mesma adaptação na cadeira do meu irmão ele tem 9 anos e tem paralisa cerebral

    Aguardo resposta obrigado desde já !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *