Maio amarelo: minha escolha faz a diferença!

Publicado em: 10.maio.2017

Por: Acessibilidade na Prática

O Movimento Maio Amarelo nasceu com a proposta de chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo. O objetivo do movimento é uma ação coordenada entre o Poder Público e a sociedade civil. A intenção é colocar em pauta o tema segurança viária e mobilizar toda a sociedade, envolvendo os mais diversos segmentos: órgãos de governos, empresas, entidades de classe, associações, federações e sociedade civil organizada para, fugindo das falácias cotidianas e costumeiras, efetivamente discutir o tema, engajar-se em ações e propagar o conhecimento, abordando toda a amplitude que a questão do trânsito exige, nas mais diferentes esferas. (maioamarelo.com

 

 

 


Neste ano, o tema definido pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) para as campanhas educativas de trânsito no país, inclusive o Maio Amarelo, é “minha escolha faz a diferença”. A proposta do tema é conscientizar todos os envolvidos no trânsito de que os acidentes são os resultados das escolhas que cada um faz. (www.ms.gov.br)

 

Trânsito e acessibilidade são assuntos bastante interligados, especialmente no Brasil. Se por um lado os acidentes de trânsito são responsáveis por boa parte das deficiências físicas adquiridas, pelo outro as pessoas com deficiência de um modo geral sofrem muito com as mazelas do trânsito. Transporte público precário, ruas esburacadas, ausência de rebaixamentos de guia e desrespeito às vagas reservadas de estacionamento são apenas alguns percalços enfrentados por quem tem dificuldade de locomoção.

 

Ao invés de ficarmos só reclamando do Poder Público (e com razão!), aproveitemos o ensejo do Maio Amarelo e contribuamos diretamente para melhorar o trânsito no nosso país! Podemos fazer “arrastões” de fiscalização utilizando a “Multa Moral” ou participar das diversas atividades realizadas durante todo este mês. Para checar a agenda de ações do Maio Amarelo em todo Brasil, clique aqui.

 

 

Frederico Rios

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *