Sanitário acessível da Praça Ary Coelho

Publicado em: 13.novembro.2013

Por: Acessibilidade na Prática

Num outro post, tivemos oportunidade de conhecer um pouco da acessibilidade na Praça Ary Coelho. Hoje vamos conferir as condições dos seus sanitários acessíveis.


imagem

Esta é a escada que dá acesso aos sanitários.


A altura dos corrimãos não foi mensurada. Não há prolongamento do corrimão de no mínimo 30 cm antes do início e após o término da escada.


Não existe sinalização tátil de alerta no piso indicando a presença de uma escada,  bem como não há sinalização tátil nos corrimãos.

Os degraus não possuem bordas em cor contrastante com a do piso, um detalhe importante para delimitar o espaço de cada degrau, o que beneficia principalmente

pessoas com baixa visão.



imagem

Esta rampa é associada à escada anterior. Ela não possui corrimãos, o que dificulta sua utilização e prejudica a segurança e a autonomia dos usuários.

O piso da rampa é revestido com pedra portuguesa. Apesar de encontrar-se em bom estado, este tipo de revestimento não é recomendado porque geralmente causa trepidação nas cadeiras de rodas. Para que seja realmente acessível, a pedra portuguesa necessita ter boa qualidade, ser bem assentada e receber manutenção periódica.


Não há piso tátil de alerta no início e final da rampa.


imagem

Esta é uma visão panorâmica da entrada dos sanitários (masculino à esquerda e feminino à direita).

Dentro de cada sanitário existe um boxe para bacia sanitária acessível.

 

imagem

Esta é a entrada do sanitário feminino, do qual utilizamos para ilustrar a situação da acessibilidade nos banheiros da praça.


Além dos sanitários já determinados, a NBR 9050/2004 recomenda que haja mais um sanitário acessível, possível de ser utilizado por um cadeirante acompanhado por uma pessoa de sexo diferente. Este sanitário deve possuir entrada independente e ser anexo aos demais sanitários. Recomenda-se, também, que possua uma superfície para troca de roupas na posição deitada, com dimensões mínimas de 0,80 m de largura, 1,80 m de comprimento e 0,46 m de altura, além de barras de apoio.


O acesso ao sanitário acima requer manobras na cadeira de rodas em uma área pequena. O ideal seria uma entrada em linha reta até a porta, uma adequação perfeitamente possível de ser feita neste caso.

Na parede lateral da entrada do sanitário existe apenas a informação visual, feita por uma placa de fundo vermelho com o símbolo internacional de sanitário feminino em branco. Não há sinalização tátil, ou seja, deficientes visuais terão dificuldades para se localizar.


imagemLavatórios suspensos em uma bacada comum. Todas as torneiras tem mecanismo de pressão para serem acionadas, facilitando seu uso.

Não há barras de apoio nos lavatórios.

A bancada dos lavatórios possui quinas vivas, podendo agravar ferimentos em caso de quedas.


A aproximação frontal sob os lavatórios é garantida e o espelho permite que cadeirantes e pessoas de baixa estatura consigam visualizar-se.

Não há acessórios como saboneteiras e papeleiras.


imagemO mau cheiro dentro do sanitário é forte, denotando falta de manutenção e higienização.


Improvisadamente, no lado esquerdo da foto, existe um rolo (já sem papel higiênico) pendurado por uma faixa.


No lado direito da foto está o boxe acessível, sinalizado inadequadamente.


imagemO boxe acessível está sinalizado por uma “placa” de papelão, fixada com fitas adesivas e com as seguintes palavras manuscritas: “SOMENTE DEFICIENTE (CADEIRANTE)”. Além dessas palavras serem totalmente inadequadas, pois o boxe é de uso preferencial e não exclusivo, a sinalização é apenas visual. Turistas, analfabetos e deficientes visuais são prejudicados com isso. Vale ainda ressaltar que “deficiente” não é sinônimo de “cadeirante”.


Para sinalizar sanitários acessíveis, deve se utilizar o Símbolo Internacional de Acesso e suas composições, de acordo com cada situação. Neste caso, bastaria o Símbolo Internacional de Acesso, já que o boxe está dentro do sanitário feminino.

Não há maçaneta que permita a abertura da porta com facilidade e conforto.



imagem

No momento das fotos, o boxe acessível estava trancado e não havia a quem solicitar sua abertura. Por isso, tivemos que subir na bacia sanitária do boxe ao lado para poder fotografar seu interior.

O cesto de lixo está numa área que atrapalha a transferência para a bacia sanitária.


A barra de apoio está instalada em uma área que não ajuda a transferência.

A papeleira estava sem papel e instalada na parede posterior da bacia sanitária, dificultando e até impossibilitando sua utilização.



imagemExiste um lavatório (pia) dentro do boxe acessível, visando evitar constrangimentos caso a pessoa necessite higienizar algum material de uso pessoal (sondas, bolsas coletoras e outros).

 

Ausência de acessórios como saboneteira, papeleira e espelho.


A torneira tem mecanismo de pressão, facilitando seu uso.


Não há barras de apoio junto ao lavatório, na altura do mesmo.

O lavatório possui área livre inferior, permitindo a aproximação frontal de cadeirantes.

Nesta foto, podemos observar que o trinco utilizado para trancar a porta não é nada acessível, já que sua área de contato é pequena e exige destreza nas mãos.



Maria Alice Furrer

Data das fotos: 05/11/2013


Uma ideia sobre “Sanitário acessível da Praça Ary Coelho

  1. Pingback: Praça Ary Coelho | Acessibilidade na Prática

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *