Sanitário acessível do Camelódromo de Campo Grande

Publicado em: 16.agosto.2012

Por: Acessibilidade na Prática

O Centro Comercial Popular Marcelo Barbosa da Fonseca, o Camelódromo, como ficou popularmente conhecido, fica localizado na Avenida Noroeste 5089, em Campo Grande – MS. Este estabelecimento foi inaugurado em 1998 para adequar num espaço único a atividade de cerca de 450 vendedores ambulantes da cidade. Sua edificação ocupa um espaço com aproximadamente três mil metros quadrados, onde estão distribuídas barracas padronizadas para a comercialização dos mais diversos tipos de produtos.

Neste post e em um próximo iremos abordar alguns pontos da acessibilidade deste local. Confiram!


Dentro do sanitário feminino existe um boxe acessível, mas na porta de entrada não há nenhuma sinalização identificando a presença do mesmo.

A sinalização na porta do sanitário é apenas visual, não havendo nenhuma identificaçao tátil como especifica a NBR 9050/2004.

Na entrada do sanitário existe uma grelha no piso, onde um salto de um sapato ou uma roda de uma cadeira de rodas podem facilmente se enroscar, provocando incidentes.

Apesar de não estar registrada na foto, na área de circulação interna do Camelódromo existe uma placa suspensa indicando a presença dos sanitários. Porém, novamente, não há indicação do boxe acessível.
 
 
No canto direito da foto aparece parte da bancada dos lavatórios e, mais ao centro, um espelho vertical. 

O espelho permite a visualização por pessoas de baixa estatura e cadeirantes.

O lavatório não possui barras de apoio. Sua altura de instalação não foi mensurada, porém sua área inferior é livre, permitindo que cadeirantes façam a aproximação frontal.

O cesto de lixo, que está ao lado da extremidade esquerda da bancada dos lavatórios, atrapalha na aproximação para o alcance da toalha de papel. Isto é uma questão de organização, bastando apenas reposicionar o cesto de lixo.

Existem duas placas com informação visual com os dizeres "Por favor, não jogue lixo no chão". Deficientes visuais são privados desta informação.

 
Nesta foto é possível visualizar toda a bancada onde estão embutidos os lavatórios. 

As torneiras dos lavatórios são acionadas por mecanismo de pressão, ou seja, são de fácil manuseio.

A saboneteira (centro da foto) está localizada na parede frontal do lavatário, numa altura que dificulta seu alcance.

No lado direito dos lavatórios existe um fraldário, instalado numa altura muito elevada. Assim, uma mãe cadeirante ou com baixa estatura terá dificuldade ou será impossibilitada de usar esta estrutura.

 
Neste sanitário existe um boxe infantil, sinalizado apenas visualmente. Novamente a ausência de sinalização tátil.

 
O boxe infantil possui a bacia sanitária mais baixa, porém o botão de acionamento da descarga e a papeleira são mais elevados.

 
Esta bancada, que possui uma ducha, fica ao lado da bacia sanitária infantil.

É notável que este boxe está sendo utilizado como depósito de produtos de limpeza, onde, na bancada, há papel higiênico, galão com produtos líquidos, caixas de papelão, entre outros. Além de ser inadequado o armazenamento destes produtos neste local, existe também risco de segurança, pois se uma criança entrar em contatos esses produtos, ela pode se intoxicar ou até mesmo ocorrer acidentes piores.

 
Esta é a vista externa da porta do boxe acessível,  a qual não possui nenhuma identificação visual ou tátil. Presume-se que é o boxe acessível porque a porta tem um vão maior.

No lado esquerdo da porta está o fraldário, o qual avança um pouco sobre o vão da porta.

 
Vista interna da porta do boxe acessível. Existe um puxador vertical pequeno, assim como na face externa da porta, porém não há nenhum trinco, ou seja, há falta privacidade.

Não há lavatório dentro do boxe acessível, como especifica a norma técnica.


Presença de barras de apoio, porém instaladas inadequadamente. Não há na norma técnica recomendação de barras de apoio com instalação inclinada, como a da parede lateral desta bacia sanitária registrada na foto.

O botão de acionamento da descarga está sem a sua capa externa, ou seja, dificulta seu acionamento.

O cesto de lixo está posicionado corretamente, entre a parede lateral e a bacia sanitária, não interferindo nas áreas de transferência.

Apesar de a dimensão do boxe não ter sido mensurada, é visível que seu espaço é insuficiente para as transferências de um cadeirante.
 

Maria Alice Furrer

Colaboração: Milena de Ré

Fotos: 04/08/2012

 

4 ideias sobre “Sanitário acessível do Camelódromo de Campo Grande

  1. Pingback: Circulação interna do Camelódromo de Campo Grande | Acessibilidade na Prática

  2. Pingback: Acessos ao Camelódromo de Campo Grande | Acessibilidade na Prática

  3. Pingback: Acesso ao Espaço de Arte | Acessibilidade na Prática

  4. Continuo achando que projetistas de obras de construção de ou adequação de acessibilidade devem sentar na cadeira de rodas e sentir o grau de dificuldade para subir uma soleira de 2 cm na porta desse banheiro, alcançar essa saboneteira, efetuar um giro de 180 graus no box e outras manobras. Acredito que dispensarão mais tempo e executarão com mais carinho seus projetos e obras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *