Residência de um casal de idosos

Publicado em: 02.maio.2012

Por: Acessibilidade na Prática

Durante o processo de envelhecimento de uma pessoa, algumas alterações físicas e sensoriais vão ocorrendo no seu corpo, como alteração de equilíbrio, diminuição da acuidade visual e auditiva, lentidão nos movimentos, dentre outros.

É claro que o processo de envelhecimento está diretamente relacionado a fatores externos, de acordo com o estilo de vida de cada pessoa. Por este e outros motivos, cada indivíduo terá suas particularidades quando estiverem numa idade mais avançada.

Todos nós temos hábitos e costumes que, por mais simples que sejam, podem tornar-se difíceis de realizar conforme o avanço da idade.
 
Hoje vamos conhecer algumas modificações realizadas na residência de um casal de idosos. Eles moram em uma fazenda no Pantanal de Mato Grosso do Sul e a casa não foi construída seguindo as normas técnicas de acessibilidade. As adaptações foram feitas apenas para atender as necessidades específicas do casal.

 
Um hábito diário é a roda do mate. Mesmo havendo apenas uma ou duas pessoas na casa, todos se reunem num determinado horário para saborear o mate e conversar.

Antes, a chaleira era deixada no chão ao lado da cadeira, onde o dono da casa (um senhor idoso) servia as demais pessoas que ali estavam. Atualmente, para evitar que a todo momento ele levante e abaixe para alcançar a chaleira no chão, uma mesinha (centro da foto) estilizada e mais alta foi confeccionada para ser colocada ao lado da cadeira. Este mobiliário proporciona mais conforto, diminuindo o gasto energético e evitando uma sobrecarga da coluna.

Isso preservou o hábito rotineiro do casal, permitindo que o realizem de forma mais confortável, mantendo assim a cultura de reunir-se em volta de uma roda de pessoas para tomar o mate.
 
A cadeira de madeira (canto esquerdo da foto) foi confeccionada de forma que atendesse a altura do senhor idoso. Assim, quando ele necessita levantar, não é necessário muito esforço físico.

No canto direito da foto existe outra cadeira, porém de balanço. Para evitar que ela deslize sobre o piso foi colocado uma tapete por baixo, evitando possíveis acidentes.


Este é o quarto do casal, onde a principal adequação foi aumentar a altura da cama.

Estava difícil para o casal deitar-se e levantar-se de uma cama mais baixa. Para resolver esta situação, a antiga cama foi sustituída por uma de 68 cm de altura, diferente do que recomenda a NBR 9050, mas que atendia a necessidade do casal.

 
O banheiro teve o piso substituído por outro, com superfície antiderrapante, diminuindo o risco de queda.

Não há neste banheiro, nem no restante da casa, outros itens que atendam a NBR 9050. Estas modificações foram realizadas ao londo do tempo, pensando em atender exclusivamente as necessidades do casal. Isso nos mostra que a acessibilidade proporciona, além de segurança, conforto e mobilidade às pessoas, a preservação de costumes prazerosos que, ao longo do processo de envelhecimento, podem se tornar mais difíceis de realizar.


Maria Alice Furrer
 

Uma ideia sobre “Residência de um casal de idosos

  1. Pingback: Banheiro residencial acessível | Acessibilidade na Prática

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *