Sanitário acessível do Shopping Campo Grande – Praça de alimentação

Publicado em: 04.maio.2011

Por: Acessibilidade na Prática

O Shopping Campo Grande, localizado na Avenida Afonso Pena 4909, possui vários problemas relacionados à acessibilidade.
 
Um dos membros de nossa equipe, Maria Alice, esteve fotografando o banheiro acessível da praça de alimentação. Vamos conferir!
 
 
– Sanitário localizado em rota acessível, próximo à circulação principal, integrado às demais instalações sanitárias;
 
– A placa com o Símbolo de Sanitário Feminino tem baixo contraste (cinza e branco), dificultando sua identificação. O ideal seria pictograma (figura) branco sobre fundo azul ou branco e preto (pictograma branco sobre fundo preto ou pictograma preto sobre fundo branco); /
 
– O boxe para bacia sanitária acessível é integrado aos demais. Além do sanitário acessível, recomenda-se a instalação de outro, que possa ser utilizado por uma pessoa em cadeira de rodas com um acompanhante de sexo diferente, com entrada independente e anexo aos demais sanitários; /
 
– O vão de entrada no sanitário feminino é satisfatório, permitindo a entrada de pessoas com cadeira de rodas.
 
 
– Presença de boxe com bacia sanitária acessível, porém não é sinalizado com símbolo internacional de acesso (como uma pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida poderá identificar que este é o boxe acessível?); /
 
– Tanto na entrada do sanitário quanto na porta do boxe para bacia sanitária acessível não há informação visual (número da sala, função, etc) ocupando área entre 1,40 m e 1,60 m do piso, localizada no centro da porta ou na parede adjacente, ocupando área a uma distância do batente entre 15 cm e 45 cm;
 
– Ainda em relação à sinalização das portas, não há sinalização tátil (em Braille ou texto em relevo) nos batentes ou vedo adjacente (parede, divisória ou painel), no lado onde estiver a maçaneta, a uma altura entre 0,90 m e 1,10 m (sem esta sinalização, como um deficiente visual poderá identificar o sanitário acessível?);
 
– Ausência de puxador horizontal associado à maçaneta da porta. A maçaneta não é do tipo alavanca, mas sim um trinco de difícil manuseio, pois requer destreza nas mãos (muitas pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida não possuem coordenação motora fina para poder abrir este trinco).
 
 

– A porta possui vão livre adequado, permitindo a entrada de uma cadeira de rodas, por exemplo. Ressaltando, novamente, que esta porta não tem maçaneta do tipo alavanca nem o puxador horizontal. (Nesta foto, o trinco é bem visualizado, demonstrando que é necessário destreza para utilizá-lo. Este tipo de maçaneta não atende às especificações da NBR9050); /

 

– Superfície do piso regular, firme e estável, porém não é antiderrapante. (No momento da foto, o piso estava molhado. Notem a placa no canto inferior direito da foto. Desta forma, o risco de quedas é potencializado, tanto para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida quanto para pessoas sem restrições físicas); /

 
– Além do sanitário acessível, a NBR9050 recomenda a instalação de uma bacia infantil para uso de crianças e de pessoas com baixa estatura.
 
 

 

– A área do boxe acessível prevê espaço para que o cadeirante faça sua transferência lateral, perpendicular e diagonal para a bacia sanitária, bem como área de manobra para rotação de 180º da cadeira. Porém, não existe nenhuma barra de apoio (como um cadeirante irá utilizar a bacia sanitária?); /

 
– Se houvesse barras de apoio, item básico para um sanitário acessível, elas deveriam ser instaladas junto à bacia sanitária, na lateral e no fundo. Na impossibilidade de instalação de barras nas paredes laterais, são admitidas barras laterais articuladas ou fixas (com fixação na parede de fundo);
 
– A bacia sanitária está localizada em cima de um degrau, o qual não está em cor contrastante com a do piso, tampouco com sinalização tátil de alerta (como um cadeirante irá conseguir aproximar sua cadeira de rodas da bacia sanitária para fazer a transferência? Sem contar no risco de uma pessoa tropeçar e cair neste degrau);
 
– Quando a bacia tiver altura inferior a 46 cm, deve ser ajustada instalação de sóculo (base produzida em materiais diversos, para apoio de molduras de portais e/ou pórticos, além de sanitários adaptados para cadeirantes) na base da bacia, devendo acompanhar a projeção da base da bacia, não ultrapassando em 5 cm o seu contorno. Ainda como opção, é permitida a utilização de assento que ajuste a altura final da bacia para a medida estipulada;
 
– Acionamento de descarga com posicionamento e tipo (alavanca) adequados. A alavanca do sistema de acionamento ficou apoiada na tampa da bacia sanitária, tornando-se anti-higiênica e dificultando o fechamento da tampa; /
 
– Ausência de um lavatório dentro do boxe, o qual não deve interferir na área de transferência;
 
Porta instalada no tipo de eixo vertical, com abertura para o lado externo do boxe;
 
– A NBR9050 recomenda a instalação de ducha higiênica ao lado da bacia, dotada de registro de pressão para regulagem da vazão;
 
– A papeleira do tipo não embutida (que avança até 10 cm em relação à parede) não está posicionada com distância máxima de 15 cm da borda frontal da bacia, ou alinhada com a borda frontal da bacia.
 
 

– O lavatório não tem previsão de área de aproximação frontal para cadeirantes (O apoio do lavatório é rebaixado! Se um cadeirante tentar se aproximar para lavar as mãos, irá colidir suas pernas contra este rebaixamento, não sendo possível aproximar-se da pia);

 
As torneiras dos lavatórios são acionadas por sensor eletrônico. Mas, como o lavatório não tem área inferior livre, pessoas com cadeira de rodas não conseguem utilizá-lo; /
 
Ausência de barras de apoio fixadas nas paredes laterais aos lavatórios das extremidades;
 
– Novamente, a superfície do piso é regular, firme e estável, porém não é antiderrapante; /
 
– O espelho não é instalado na vertical nem possui inclinação de 10º em relação ao plano vertical (uma pessoa com baixa estatura ou um cadeirante não poderá utilizá-lo).
 
 

– Cesto de lixo do lavatório com altura elevada (como uma pessoa de baixa estatura ou um cadeirante poderá depositar lixo neste cesto?);

 
– Os toalheiros têm o mesmo padrão, mas, no caso deste, está atrás do cesto de lixo, dificultando o acesso, além de ser anti-higiênico. Apesar de as fotos não ilustrarem, os toalheiros instalados ao lado do lavatório também não permitem o acesso, já que os lavatórios embutidos em bancadas não permitem a aproximação frontal.
 
 
Finalizando
 
Estas fotos foram tiradas no dia 03/05/2011, utilizando um celular. No dia seguinte, ao retornar ao local para coletar novas fotos, uma segurança do Shopping tentou impedir Maria Alice, alegando ser necessário autorização da administração do Shopping para fotografar o banheiro, pois se tratava de uma regra da empresa. Novamente, uma empresa resolve criar "regras" que sobrepõem "leis".
 
O Blog Acessibilidade na Prática ressalta novamente, na pessoa de seu responsável, Frederico Rios, que não abrirá mão do seu direito de fiscalizar a acessibilidade em locais públicos ou locais privados de circulação pública. Todos podem notar que nenhuma pessoa foi exposta nas fotos acima, tampouco foi denegrida a imagem do Shopping, pois foram ressaltados tanto pontos positivos quanto negativos. Nosso interesse sempre foi informar e conscientizar a população sobre "acessibilidade".
 
Em breve, teremos uma nova postagem descrevendo, com imparcialidade, outro banheiro acessível do Shopping Campo Grande, denominado "Banheiro Familiar".
 
Até breve.
 
 
Frederico Rios e Maria Alice Furrer Matos
 

4 ideias sobre “Sanitário acessível do Shopping Campo Grande – Praça de alimentação

  1. Parabéns pelo post, pessoal! Não quero falar muito, mas me bate um sentimento de injúria toda vez que vocês são barrados nos locais de vistoria… Será que precisam andar com uma pessoa com poder de auditor do lado para as pessoas pararem de impor “regrinhas”? Tadinha da Maria Alice, discutindo dentro da razão, isso estressa qualquer pessoa. Bom, o banheiro é bem inacessível, hein! Não sei quanto tem a altura dessa entrada, mas parece que foge do cone visual de uma pessoa na cadeira de rodas, máximo de 2,24m. Nem tem sinalização tátil nem o símbolo de acessibilidade na entrada principal do banheiro, acho que sabemos o motivo. E essa lixeira na lateral da bacia, pra dificultar ainda mais a aproximação? Esse degrau foi uma tentativa frustrada de fazer um sóculo; Realmente não sabem que deve ter, no máximo, 5cm de cada lado. Esse lixeiro enorme e embaixo da papeleira é anti-higiênico e horroroso, né? Vamos combinar que o bom gosto foi longe, com essa bancada também. Ok, parei por aqui. Uma coisa que queria muito saber, mais de quem utiliza, é se este tipo de bacia (com abertura frontal) é mesmo útil/eficiente. Acho que estão querendo tirar de linha, ou algo assim, ela é aprovada? Beijos e sucesso.

  2. Incrível como esse povo não tem argumento né? Tudo acaba com "são regras da empresa"…. como se eu não pudesse tirar foto no shopping fazendo careta dentro do banheiro!!! Cansei de ver essas adolescentes tirando um monte de fotos fazendo pose no banheiro! Mas obviamente que para algo ÚTIL não pode… sem comentários viu?!

  3. Pingback: Sanitário Familiar do Shopping Campo Grande | Acessibilidade na Prática

  4. Pingback: Antes e depois – Sanitário acessível do Shopping Campo Grande | Acessibilidade na Prática

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *