Acesso ao Shopping Campo Grande, para quem chega de ônibus

Publicado em: 01.janeiro.2012

Por: Acessibilidade na Prática

O Shopping Campo Grande possui vários acessos. Esta é a principal rota para quem vai ao shopping de ônibus. Confiram!

 
Esta é a parada de várias linhas de ônibus, onde há um grande fluxo de pessoas.

O ponto de ônibus possui uma cobertura (na foto, podemos visualizá-la entre o primeiro e segundo ônibus). Logo nas laterais deste ponto existem duas escadarias, que dão acesso ao estacionamento e a uma das portas de entrada do shopping, porém não há nenhuma rampa ou equipamento eletromecânico associado a estas escadas. Com isso, cadeirantes e outras pessoas com dificuldade de locomoção terão que percorrer um longo trecho para poder entrar no estabelecimento.

 
No dia em que as imagens foram feitas, a calçada no entorno do shopping estava sendo reformada, mas a obra não respeitava nenhum item estabelecido pela NBR9050. Um exemplo disso é a caçamba de entulho sobre a faixa livre de circulação de pedestres.

A placa, no canto direito da foto (Shopping Campo Grande – acesso 4), tem informação visual de boa legibilidade e contraste adequado, informando o acesso ao estabelecimento. No centro esquerdo da foto, podemos observar o primeiro dos cinco lances de escada fixa, onde a pessoa que chega de ônibus deve subir para ter acesso ao shopping.

Tanto no início quanto no final da escadaria não há sinalização tátil de alerta, ou seja, como um deficiente visual detectará a presença das escadas?

 
A cada lance de escada existe um patamar de descanso, porém não há corrimão nestes patamares.

Em escadas, a NBR9050 especifica que apenas as rampas devem ter corrimão com duas alturas (0,92m e 0,70m). Já as escadas é especificado que possuam o corrimão com 0,92m de altura. No entanto, vale lembrar que crianças e pessoas com baixa estatura também utilizam as escadas, viabilizando a colocação do corrimão com duas alturas, mesmo que isso não seja exigido pela norma técnica.

A falta de manutenção do corrimão de toda a escadaria é notável. Também não há sinalização tátil, como recomenda a NBR9050.

Nenhum corrimão lateral apresenta prolongamento de 30 cm, paralelo ao chão, facilitando o impulso e equilíbrio para subir ou descer as escadas. Por ser paralelo ao solo, este prolongamento sinaliza que o terreno a seguir é plano. O prolongamento nas extremidades de corrimãos também é previsto na NBR9050.

Não há sinalização visual nos degraus, em cor contrastante com a do piso, delimitando seu espaço. Isso dificulta o uso da escadaria por uma pessoa com baixa visão ou até mesmo por alguém com visão normal, dependendo da intensidade de luz.
 

Por este ângulo, observa-se melhor como a falta da sinalização visual nos degraus dificulta sua delimitação, ou seja, onde começa e onde termina o degrau. Nota-se também como os corrimãos não tem continuidade, o que não é adequado, pois os mesmos devem ser contínuos, inclusive nos patamares.

Os patamares são amplos e planos, ou seja, adequados. Por ser uma escadaria alta, há proteção lateral, feita por paredes. O piso de toda a extensão da escadaria é antiderrapante, porém existem algumas rachaduras ao longo do trajeto.

 
Este é o final da escadaria, que dá acesso ao estacionamento do shopping. Novamente, ausência de sinalização tátil de alerta indicando a presença das escadas.

 
Vista interna do estacionamento do shopping. Notem que não há rebaixamento de guia para que o pedestre utilize a faixa de travessia.

Atravessando por esta faixa de pedestres e seguindo em frente, temos acesso a uma das portas de entrada do shopping. Entretanto, este percurso deve ser feito com cuidado e atenção, pois as pessoas têm de utilizar a faixa de circulação destinada aos veículos, já que não existe uma rota para pedestres.


Maria Alice Furrer e Frederico Rios

Fotos: 25/11/2011

 

3 ideias sobre “Acesso ao Shopping Campo Grande, para quem chega de ônibus

  1. Além da dificuldade de acesso ao Shopping desembarcando pelo ponto de ônibus na Av. Afonso Pena, as pessoas com deficiência encontram outra barreira inexpugnável neste local – a falta de oportunidade de emprego, em desrespeito à legislação trabalhista. O único estabelecimento que usualmente emprega PCD é o Carrefour, mas esses permanecem pouco tempo no serviço. Não conseguem ser nem espectadores nem protagonistas deste cenário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *