Acessibilidade no auto-atendimento do Banco do Brasil

Publicado em: 21.agosto.2011

Por: Acessibilidade na Prática

Esta é a agência do Banco do Brasil da Rua Cândido Mariano 1616, em Campo Grande – MS.
 

Agência com serviço de auto-atendimento. A placa com o nome da agência tem bom contraste de cores, com letras que garantem uma boa legibilidade.

Não há vagas reservadas de estacionamento, vinculadas a rotas acessíveis até a agência.


O acesso principal da agência é feito por esta escada fixa, existindo uma rampa associada, porém não existe sinalização visual e tátil adequada, indicando a localização da rampa.

Presença de corrimão instalado em ambos os lados da escada, porém o mesmo não se prolonga paralelo ao solo, pelo menos 30 cm antes do início e após o término da escada. Este prolongamento ajuda, por exemplo, um deficiente visual a identificar o final da escada com mais segurança.

O corrimão possui acabamento recurvado. Não está presente, porém é recomendável que o corrimão seja sinalizado através de um anel com textura contrastante com a da superfície do corrimão e de sinalização em Braille.

Apesar de a NBR 9050/2004 tratar como opcional a instalação de duas alturas de corrimão em escadas (0,92 m e 0,70 m do piso), esta opção de altura atende uma maior diversidade de pessoas. Uma criança ou um anão, por exemplo, são atendidos com o corrimão instalado a 0,70 m do piso.

Todo degrau ou escada deve ter sinalização visual na borda do piso, em cor contrastante com a do acabamento. Também deve existir sinalização tátil de alerta no início e término da escada, em cor contrastante com a do piso, alertando a mudança de nível.


As fotos foram feitas em um domingo. Este é o portão que dá acesso à rampa de entrada ao auto-atendimento, e não possuímos a informação se este portão permanece fechado durante a semana. De qualquer forma, como um cadeirante poderá utilizar esta agência em finais de semana com o portão da rampa fechado?

Como não foi possível entrar pela rampa, sua estrutura não foi fotografada.


Porta de entrada do auto-atendimento “adesivada” com o Símbolo Internacional de Acessibilidade. Por que está “adesivada”? O Símbolo Internacional de Acesso representa a indicação de acessibilidade das edificações, dos mobiliários, dos espaços e dos equipamentos urbanos, mas esta agência possui a rampa bloqueada por um portão, ou seja, não é acessível e utiliza o Símbolo.

A porta de vidro possui uma maçaneta que exige muita força e destreza nas mãos para utilizá-la, pois seu mecanismo de abertura não é suave.


O Símbolo Internacional de acesso não permite nenhuma modificação, estilização ou adição. Sua representação deve ser feita por pictograma (figura) branco sobre fundo azul, opcionalmente representado em branco e preto, sempre voltado para a direita.

As cores do Símbolo desta agência estão invertidas, sem contar que, dependendo da incidência da luz do sol, ela fica menos visível, já que seu fundo é metálico e este fundo está sobreposto por um vidro.

Ao lado da porta existe sinalização visual e tátil (Braille). Entretanto, em alguns arranjos do Braille, alguns pontos já estão desgastados.


Esta rampa, no canto direito da foto, é a rota feita pela rampa externa que leva até o interior da agência.  Existem fitas antiderrapantes na extensão desta rampa, porém não há corrimão nem sinalização tátil de alerta para indicar o desnível.

Ao lado da rampa existe um degrau, que também não está sinalizado, podendo ocasionar algum incidente.

Na frente da porta, no canto esquerdo da foto, existe um capacho embutido e nivelado com o piso, não oferecendo risco de tropeços.


Balcão no centro do espaço de auto-atendimento, onde no canto esquerdo existe um rebaixamento. Este rebaixamento, mesmo não estando bem ilustrado na foto, está sinalizado adequadamente com o símbolo de acessibilidade, já que sua altura é satisfatória e tem área inferior livre, permitindo aproximação frontal de cadeirantes.


A altura dos teclados, conector de fone de ouvido, leitor de cartão devem estar localizados a uma altura entre 0,80 m e 1,20 m. Esta altura não foi mensurada. Em relação a altura do monitor, este deveria deveria estar com altura de 1,15 m, porém excede esta medida.

Os caixas apresentam apenas sinalização visual e de baixa legibilidade, ou seja, como os cegos, por exemplo, saberão qual caixa faz depósito, saque ou transferência?


Copia de DSC01113

Todos os teclados dos caixas de auto-atendimento seguem este padrão, onde as teclas numéricas seguem o mesmo arranjo do teclado de telefone, com o número 1 no canto superior esquerdo e a tecla do número 5 com um ponto em relevo no centro.

Existe entrada para fones de ouvido, devidamente sinalizada.


Logo após a entrada do auto-atendimento também existe um capacho embutido, nivelado com o chão, não oferecendo risco à segurança dos usuários.


Interior da porta da agência, com maçaneta inadequada.  A placa ao lado da porta com sinalização visual e tátil (Braille), ambas desgastadas, informam como utilizar o botão para destravar a porta. Ressaltando que este botão apenas destrava a porta, não realizando sua abertura automática, sendo necessário acionamento manual com força e coordenação.


Maria Alice Furrer

Fotos: 17/07/2011



2 ideias sobre “Acessibilidade no auto-atendimento do Banco do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *