Acessibilidade na Fundação do Trabalho

Publicado em: 13.março.2012

Por: Acessibilidade na Prática

Criada em 28 de janeiro de 2003, por meio do Decreto nº 11.082, a Fundação do Trabalho de Mato Grosso do Sul (Funtrab) é o órgão responsável pela gestão das políticas públicas de Trabalho, Emprego e Renda no Estado.

A Funtrab é vinculada à Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social de Mato Grosso do Sul (Setass), e tem por objetivo integrar as ações de atendimento aos trabalhadores e empregadores, favorecendo a inclusão social através do trabalho.

Por se tratar de um Órgão Público de extrema importância para a sociedade, resolvemos analisar alguns pontos do prédio em relação à acessibilidade. Confiram!

 
A entrada do estabelecimento é feita por uma escada associada a uma rampa.

A rampa, que não está inteiramente ilustrada na foto, possui corrimão unilateral, não atendendo todas as pessoas. A altura de instalação do corrimão não foi verificada, mas sua estrutura não é adequada, já que não há prolongamento paralelo ao piso de pelo menos 30 cm antes do início e após o término da rampa. Também não há sinalização tátil no corrimão.

O piso da rampa é de cor clara, podendo ocasionar ofuscamento da visão quando a incidência do Sol for alta.

A escada ao lado não possui corrimão, além de o revestimento do piso apresentar rachaduras e frestas, podendo causar acidentes. Não há sinalização visual na borda dos degraus.
 
Tanto na escada quanto na rampa não há sinalização tátil de alerta.

 
Esta é a entrada principal do estabelecimento, onde não há uma correta sinalização visual e tátil da porta. Assim, como é possível um deficiente visual saber onde está entrando?

A porta desta entrada possui duas folhas, ou seja, o vão livre é satisfatório. Porém, no dia em que a foto foi feita, apenas uma folha da porta estava aberta.

Antes da porta de entrada há uma descontinuidade de piso e, logo a frente, uma tampa de caixa de inspeção e de visita não nivelada. Além de estas estruturas não serem acessíveis, dão um visual desagradável ao estabelecimento, conferindo falta de manutenção.

Entre a porta e a entrada existe um desnível (degrau) não sinalizado.

A porta e grande parte da área frontal do local é de vidro, mas em toda a sua extensão há sinalização visual (adesivos coloridos), evitando possíveis incidentes.


Ao lado da porta com degrau existe uma entrada acessível, feita por meio de uma rampa. Entretanto, não há nenhuma sinalização nesta estrutura.

Além de não possuir nenhum tipo de indicação, a entrada acessível estava fechada no dia das fotos. 


Esta foto interna do estabelecimento ilustra a entrada com degrau (lado direito) e a entrada "acessível" (lado esquerdo).

Na foto anterior está ilustrado que a porta da entrada "acessível" estava fechada. Observando o interior do local, notamos que, além da porta fechada, existem cadeiras bloqueando sua abertura. Se um indivíduo precisar utilizar esta entrada "acessível", que está bloqueda, certamente passará por constrangimentos.


Maria Alice Furrer

Fotos: 08/02/2012

 

Uma ideia sobre “Acessibilidade na Fundação do Trabalho

  1.  
    A Maria Alice Furrer  foi muito gentil ao tratar esse assunto com tanto respeito aos titulares do imóvel que abriga a Fundação do Trabalho de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul. Procurei ver a fachada no Google Mapas e constatei mais problemas que dificultam o estacionamento e o acesso das pessoas com deficiência. Sào bicicletas paradas na rempa, falta de sinalizações verticais e no solo, entre outros.
    Num prédio que trata de um assunto tão importante e com o movimento de trabalhadores que o acessam, é de se esperar que o titular dom imóvel obedeça às leis e normas que garantam o conforto, a segurança e principalmente a acessibilidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *