Publicado em: 31.agosto.2016

Por: Acessibilidade na Prática

Certo dia, passei numa loja de roupas aqui de Campo Grande (MS) para efetuar a troca de um presente que havia ganhado de aniversário. Chegando lá, observei que o estacionamento da loja era sobre parte da calçada, então estacionei o carro na diagonal para que o mesmo não ficasse muito próximo do piso tátil.

Ao entrar na loja, a vendedora que me recebeu logo pediu para que eu “endireitasse” o carro, pois ali caberiam quatro veículos. Tentei explicar a ela que meu carro ficaria muito próximo do piso tátil, mas acabei cedendo à sua insistência e avancei com o carro o máximo para frente.

Quando entrei novamente na loja, outra cliente chegou e estacionou seu carro ao lado do meu, porém muito próximo do piso tátil. A vendedora pediu à cliente que estacionasse mais para frente, evitando assim o bloqueio do piso tátil, mas a resposta da “consciente” motorista foi a seguinte: “não vou demorar”.

No final das contas, a outra motorista ainda estava na loja quando saí.

Esse tipo de situação – que prejudica ou até impede a passagem das pessoas – infelizmente é bastante comum no cotidiano de muitos pedestres Brasil afora. Mau comportamento no trânsito, falta de estacionamentos, falta de planejamento urbano e execução de projetos mal elaborados são apenas algumas das causas dos grandes problemas de mobilidade enfrentados por quem circula à pé pelas cidades.

Neste post, utilizaremos a situação vivenciada por mim na loja de roupas para falar sobre a distância entre os objetos e o piso tátil, com base na norma técnica sobre piso tátil, a NBR 16537/2016.


pisoEsta é a calçada da loja. O revestimento da calçada não é o adequado, já que a pedra Miracema é irregular e causa trepidação, ou seja, mais um empecilho aos pedestres.

Meu carro é o branco, na parte esquerda-inferior da foto. O carro azul, ao lado do meu e mais superior na foto, é o da motorista que chegou depois de mim e se negou a estacionar mais para frente, mesmo comigo e a vendedora afirmando que seria falta de consciência da parte dela.


(mais…)

Leia Mais

Publicado em: 30.agosto.2016

Por: Acessibilidade na Prática

Seguidora: Maria José de Oliveira Fontes
E-mail:[email protected]

Data das fotos: 30/08/2016
Local: Estacionamento da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Viçosa – MG.
Descrição: Novamente, várias motos estão impedindo a passagem de cadeirantes pela calçada. Dessa vez, além da Zezé, o Eric também foi prejudicado.

UFV 20160830 (1) edit
UFV 20160830 (2)
UFV 20160830 (3)


UFV 20160830 (4) edit

Leia Mais

Publicado em: 28.agosto.2016

Por: Acessibilidade na Prática

Seguidora (membro da equipe): Maria Alice Furrer Matos Rios
Twitter:[email protected]
Data da foto: 17/08/2016
Local: Rua da Paz esquina com a Rua Paraíba, Campo Grande – MS.
Descrição: A calçada possui piso tátil, porém seu revestimento é pisograma, ou seja, nada acessível.

IMG_9454 edit

Leia Mais

Publicado em: 24.agosto.2016

Por: Acessibilidade na Prática

O Shopping Bosque dos Ipês, localizado em Campo Grande (MS), promoveu uma atividade diferente para a diversão das crianças no período das férias escolares: o “Mar de Bolinhas”.

De acordo com o site do shopping, a brincadeira tinha algumas regras, dentre elas a obrigatoriedade de um acompanhante (sem custos) para menores de 4 anos. Além disso, adultos não podiam subir na torre que dava acesso aos escorregadores e tobogãs, espaços estes destinados exclusivamente aos pequenos. Também era obrigatória a permanência de um responsável enquanto a criança se divertia.

Sabendo das regras, vejamos então como era a estrutura do “Mar de Bolinhas”, já que muitas crianças precisam de acessibilidade para se divertir nesse tipo de atividade.


foto mar de bolinhasEsta é uma imagem panorâmica da estrutura montada no shopping. Na parte inferior da foto podemos observar a bilheteria e a entrada da piscina de bolinhas, feita por meio de duas rampas com um patamar em comum.


(mais…)

Leia Mais

Publicado em: 23.agosto.2016

Por: Acessibilidade na Prática

Seguidora (membro da equipe): Maria Alice Furrer Matos Rios
Twitter:[email protected]
Data da foto: 08/08/2016
Local: Shopping Campo Grande, Campo Grande – MS.
Descrição: Neste espaço, há três telefones públicos instalados acima de um balcão e sinalizados com piso tátil de alerta. O balcão possui área livre inferior, mas nenhuma de suas três partes oferece altura acessível a cadeirantes ou pessoas de baixa estatura, assim como nenhum dos telefones é instalado a uma altura mais baixa para atender esse público. Além disso, há uma grande lixeira posicionada debaixo do balcão, atrapalhando a aproximação de qualquer pessoa a pelo menos um dos aparelhos. 

IMG_9246

Leia Mais

Publicado em: 21.agosto.2016

Por: Acessibilidade na Prática

Seguidor: Rodrigo Gonçalves Yunoguthi
Twitter: @Yunoguthi
Data das fotos mais recentes (duas últimas): 17/08/2016

Local: Cruzamento entre as avenidas Conselheiro Nébias e Afonso Pena, Santos – SP.
Descrição: A faixa de travessia de pedestres, a qual atravessa o canteiro central de uma das avenidas, era acessível até que, devido às obras do VLT, foi construída uma mureta de concreto junto ao canteiro rebaixado, bloqueando a passagem de pedestres com dificuldade de locomoção.

20160817_152554_resized edit
20160817_163650_resized edit
20160813_101557_resized

Leia Mais

Publicado em: 18.agosto.2016

Por: Acessibilidade na Prática

A NBR 9050 sempre contemplou a sinalização tátil no piso, porém há muito tempo existe a necessidade de um maior detalhamento nas especificações desta sinalização. Assim, foi criada a primeira edição da NBR 16537, Acessibilidade – Sinalização tátil no piso – Diretrizes para elaboração de projetos e instalação, lançada em 27 de junho de 2016.



DSCN2666

A seguir, elucidaremos alguns pontos importantes dessa norma, porém reforçamos a necessidade de lê-la e entendê-la detalhadamente.

(mais…)

Leia Mais
Página 1 de 126123...102030...Última »